Realidade editada, na Era em que nada é o que É(ra)

MarianaSabido-106.JPG

A realidade tem nova era.

A verdade não é hoje essencial para ser real.

A ilusão tomou posse e destronou a realidade ultrapassada.

Editar a vida passou a ser a mais pura das verdades numa realidade melhorada.

E isso é real.


A impossibilidade de partilha é já hoje causa de hipoteca da vontade do usufruto de determinada situação, como se de nada valesse VIVER o que depois não pode fazer parte desta nova realidade - a da partilha.

É uma nova dimensão.

É o paradigma que muda e eu, muitas vezes, sinto-me a navegar em águas turvas.

É o labirinto que se enche de becos sem saída e eu desoriento-me neste percurso.

Tenho observado e acompanhado de perto esta mudança.

Tenho-me esforçado por entender as novas linhas que nos prendem e desprendem nesta rede de ilusões.

Assisto a esta ilusão da consciência numa consciência da ilusão,

É o aceitar da ilusão,

o enaltecer da ilusão.

A manipulação indiscriminada na reconstrução de uma nova prova.

O assumir do parecê-lo em total desprezo pe-lo-sê-lo.

Será parte do choque geracional, o grande corte com o que havia antes.

Sinto que hoje existe um fosso muito mais profundo do que pensava quando mandava a moeda para o poço e desejava que isto fosse apenas uma ilusão.

A ilusão de um amanhã melhor é coisa de um passado do qual não reza a stories.

Importante hoje, é investir num presente suficiente, num surpreendente registo digno de nos rotular, pelo menos nas próximas 24 horas.

Somos o que mostramos, 

o que construímos numa edição rápida, uma corrida veloz para o que foi acompanhar, a par e passo, o que passa a ser.

E mesmo sabendo que andamos todos a fingir, essa passa a ser a regra para esta nova forma de criar identidade.

Procuramos originalidade, 

ser fora da caixa, fechados dentro de um ecran rectangular, 

emaranhamo-nos em redes que nos toldam os movimentos enquanto criamos movimentações em massa que nos colocam num diálogo surdo mas em directo com todo o mundo. 

Nunca estivemos tão perto de todos numa solidão tão imensa como o poder do arrastão destas redes.

É o esvaziar do ser, na procura de um novo eu - editado, controlado, premeditado. sacrificado.

É uma nova forma de viver onde o existir necessita de validação, num género de Seguem-me, logo existo.

E eu não desisto. Procuro o meu espaço nesta existência editada e também registo. 

Resisto. Persisto e agarro-me de unhas e dentes ao conteúdo de mil palavras, na esperança de que valha mais do que a imagem.

Julho 2018, Fotografias  Mariana Sabido

Julho 2018, Fotografias Mariana Sabido